NOTA #1 [01/08/2017] (RJ I)

 

A esquerda tem uma certa dificuldade em tratar com a classe trabalhadora o debate das opressões. E talvez esse seja o grande mote da limitação ou até do fracasso da esquerda. A esquerda sempre teve como horizonte uma sociedade igualitaria e justa no entanto isso não signigica que poderia ter problemas. Marx, nunca disse que o comunismo é o paraíso. Ao mesmo tempo, o debate das opressões contra negros, mulheres e lgbts são urgentes na medida em que são violencias cometidas contra esses grupos diariamente e muitas vezes culminam em morte. Mas a classe trabalhadora por diversas vezes é acometida dessas questões nãp se reconhece nesse debate. Ao contrário, ela rechaça por muitas vezes. Como se ve há um impasse, então o que fazer? Há duas ideias que acho interessantes pra esse debate. A primeira ideia é do camarada ceiano 031 que em um de seus textos sugere que todas as organizações tem problemas de se enfrentar e propõe a ideia de uma organização politica que se mantenha com as diferenças. Ja a outra ideia é do filosofo Vladimir Safatle que diz que a politica é um “lugar de falas sem lugar”, em contra posição do elemento novo na esquerda do “lugar de fala”, porque o sujeito politico emerge quando ele incorpora as falas. Nesse sentido, me parece que essas duas propostas pra lidar com esse problema possam ser levadas em conta pra pensar essa questão junto a esquerda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *