NOTA #1 [21/01/2016] (SP)

Na reunião do dia 21.01.16 discutíamos os modos de financiamento da nossa célula. Faltava uma quantia em dinheiro e pensávamos nas saídas possíveis para o impasse. Foram sugeridas algumas: a) que quem se voluntariasse pudesse contribuir com uma quantia a mais no mês que fosse necessário; b) uma contribuição compulsória a mais que fizesse render um pouco o dinheiro no tempo/poupança; c) abrir para o coletivo em busca de um modo coletivo-nacional de encontrar alguma saída ou d) se seria possível buscar outros modos de sustentação financeira. Alguns dos nossos membros se disponibilizaram a arcar com um pouco mais dos custos para que o espaço pudesse se manter e, então, as reuniões fossem realizadas. Durante a semana aconteceu de um camarada ter conseguido um espaço sem custo para que as reuniões se realizem. Entretanto, um dos camaradas havia marcado que a solução financeira não poderia ser permanente ou um modo de nos acomodarmos e não buscarmos outras alternativas de espaço ou de saída coletiva para o levantamento financeiro. Seguindo, discutimos que o principal seria termos um financiamento somente voltado para a sala. Dentro disso, fico pensando que diante da possibilidade de encontrarmos um local sem custo, chegaria ao fim o problema da arrecadação financeira de nossa célula e, então, a ‘tarefa’ dos custos estaria finalizada. Neste sentido, o que seria um problema financeiro estaria resolvido com a solução de termos uma sala sem custos? Estariam suspensas nossas contribuições? Não é importante que a célula tenha algum dinheiro em caixa para qualquer problema financeiro eventual? Se não, quais são as razões para isso? E se mantivermos as contribuições, como encaminharemos o destino do dinheiro arrecadado?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *