NOTA #12 [16/01/2018] (RJ I)

O que caracteriza Heidegger como o articulador de um lugar comum no debate filosófico? Esse é tipo de questão que se pode extrair de uma das dimensões do pensamento de Badiou para falar da condição da Filosofia Contemporânea. Não à toa o pensador alemão é escolhido como interlocutor predileto de Alain Badiou, no entanto, isso significa que Heidegger é o responsável pelo fim da filosofia? Certamente que não. A pergunta aqui deve ser recolocada de outra maneira: Por que Heidegger organiza o que é comum no pensamento contemporâneo na Filosofia? Afinal não se deve esquecer de sua grande influência no pensamento europeu contemporâneo, principalmente na França, onde desenvolveu-se e encontra hoje em alguns filósofos como Lacueue-Labarthe, Etienne Balibar, Jacques Derrida ou Lyotard a expressão deste lugar comum. Ou seja, um tipo de ideologia Heideggeriana.

Mas no que consiste este lugar comum que faz com que o pensador alemão seja visto como o “último filósofo universalmente reconhecido”. Podemos dizer que este lugar comum se articula em torno de 1. uma concepção de superação da metafísica enquanto categoria que se articula em torno do Sujeito Moderno. 2. O Fim da metafísica encontra no Reino da Técnica a expressão dos seus limites. 3. A ciência Moderna e o Estado Totalitário são a consequência do fim da Metafísica. 4. Só alguns poetas até hoje foram capazes de pronunciar a questão do Ser. 5 A virada Platônica é o Primeiro movimento de esquecimento do Ser. Diante disso só resta gora ao pensamento 6. Tomar a condição no dizer dos poetas.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *