NOTA #2 [15/04/2014] (SP)

Nesta aula estudamos um pouco mais a fundo o duplo caráter do trabalho materializado na mercadoria (valor de uso e valor de troca) e o segredo da forma-mercadoria – sobre o qual Zizek fala em “Como Marx inventou o sintoma”.

Vimos que esse tipo de relação só pode existir em uma sociedade capitalista e que produz mercadorias, onde há uma divisão social do trabalho.

As mercadorias ganham um valor específico através de suas relações de troca. Há uma construção nesses objetos que não é tão obvia e que opera neste duplo caráter.

É na relação de troca das mercadorias que se manifesta o valor. Enquanto somente podemos trocar mercadorias com qualidades distintas, é necessário haver uma forma comum que iguale as heterogeneidades dessas mercadorias: esta é a forma dinheiro do valor.

Duas mercadorias diferentes só podem ser equiparadas depois de sua conversão a uma mesma coisa, pois somente assim, com grandezas homogêneas, elas podem ser comensuráveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *