Nota #3 [14/03/2014] (RJ II)

O sujeito é distinto do indivíduo. A verdade é diferente do saber. Como então extrair uma conseqüência de um evento? É através do trabalho de subjetivação, em que se pensa o lugar singular dentro da transtemporalidade de um processo de verdade. É nesse ponto que se cruzam 3 esferas da existência de uma ideia: um componente político, outro histórico e um componente subjetivo. Badiou escolhe a ideia do comunismo como exemplo, e a caracteriza por uma operação. Pois é onde se dá o entrelaçamento entre três campos de determinação, dando conta das pontas que ficariam soltas caso tomássemos cada um deles isoladamente. Essa operação demonstra que as três instâncias podem se sustentar enquanto atualizadas numa decisão. A função do evento passa a ser o encontro com algo impassível e incodificável, mas que coloca em questão toda configuração específica que dá os critérios pelos quais, até o momento, se determinava cada um desses campos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *