NOTA #5 [30/05/2017] (RJ I)

Minha contribuição ao debate dos camaradas, com base no que tenho observado em minha experiência aqui no Reino Unido

Eleições no Reino Unido: com discurso enfático à esquerda, partido trabalhista cresce na reta final

Sob todos os sinais, o cenário eleitoral que parecia previsível no Reino Unido, com a confirmação da premiê Theresa May no poder e a construção de maioria ampla para os conservadores. Mas tudo caminha para um desfecho incerto, conforme se aproxima a votação na próxima semana –dia 8 de junho.

A novidade é o impressionante crescimento do Partido Trabalhista, atualmente sob a liderança de sua ala mais à esquerda, na figura de Jeremy Corbyn.

Desde o anúncio das eleições, no dia 18 de abril, a liderança dos conservadores nas pesquisas, que chegou a ser de 2 dígitos (entre 18 e 21%), foi reduzida para menos de 3%. Trata-se de algo que não ocorria desde as eleições de 1997, quando o trabalhista Tony Blair chegou ao poder. O avanço verifica-se, sobretudo, na reta final da disputa. Vitorioso ou não, este pode ser o melhor desempenho do Labour desde 2005.

Theresa May, que assumiu o comando do Partido Conservador e do país após o referendo sobre o Brexit, vinha negando enfaticamente a convocação de eleições com o argumento de que isso traria mais instabilidades a um momento já incerto.

Seu apelo em prol da unidade nacional frente às negociações com a Europa, animado por discursos sobre o brio e a grandeza de seu povo, mostrava-se uma estratégia eficiente, atraindo apoio para os conservadores e expressiva popularidade para a mandatária.

Com propostas sobre o controle da imigração e das fronteiras do país, cativou o eleitorado mais conservador, desidratando o precedente apoio conferido ao UKIP, partido da direita radical.

Corbyn, por sua vez, tinha baixa aprovação e estava às voltas com intensas disputas no interior de seu partido. Era avaliado com um líder inapto para a tarefa decisiva de conduzir o país no turbulento futuro pós-Brexit.

Um didático contraste de imagens entre os 2 líderes foi explorado pelos conservadores: de um lado uma chefe de Estado com firmeza de decisão e capacidade realizadora, de outro, um ruidoso, incompetente e pouco carismático militante esquerdista.

Foi em meio a esse cenário que May protagonizou um giro de 180 graus com a convocação de eleições. Seu argumento: ampliar a liderança de seu partido e obter da população um expressivo mandato para implementar o Brexit, arrancando da União Europeia o melhor acordo de saída possível.

Tudo indicava tratar-se de uma jogada de mestre. Como se as duras lições do passado recente não tivessem sido suficientes, a imprensa, o establishment político e o mercado previam uma vitória avassaladora dos conservadores.

O início da corrida eleitoral parecia confirmar esse cenário. Um boicote da ala direita do Labour, comandada pelo ex-primeiro ministro Tony Blair, junto de outras lideranças, ocupava os holofotes contra os rumos “inconsequentes” de seu partido.

Confiante na vitória, May não precisou sequer detalhar os termos específicos de seu eventual mandato para negociar com os líderes europeus, pedindo a seus eleitores uma espécie de cheque em branco a ser preenchido no momento decisivo, conforme as condições e necessidades. Até então, tudo corria como o esperado.

Considerado um outsider sob inúmeros aspectos, Jeremy Corbyn apostou suas fichas em uma narrativa alternativa sobre “o povo contra as elites”, por vezes com o uso aberto da palavra “socialismo”. Recusou-se a concentrar a agenda eleitoral no Brexit, focando-se em temas como a crise de habitação do país, o desmonte do sistema público de saúde, a necessidade de merendas para as crianças nas escolas, a nacionalização de ferrovias, a abolição das mensalidades em universidades.

Como financiar isso tudo? Com distribuição de renda, taxação dos mais ricos, combate à evasão fiscal. Seu slogan de campanha, um país “para os muitos, não para os poucos” (To the many, not the few), demarcou um embate frontal com o então bem aceito chamado de Theresa May por um país “Forte e Estável” (Strong and Stable).

De histórico republicano e pacifista, por vezes ridicularizado pelo establishment como o “camarada Jeremy”, Corbyn criticou a subserviência dos interesses do país à estratégia militar da OTAN e –em meio a 2 traumáticos atentados terroristas recentes – defendeu que a participação do Reino Unido em guerras, e não as políticas de imigração, é que faz do país um lugar menos seguro para se viver. Em oposição à May, recusou-se a propor taxas de combate à imigração.

Surpreendentemente, a estratégia vem surtindo efeito. O Brexit, considerado o ponto mais importante da campanha, aos poucos perde centralidade frente aos temas levantadas por Corbyn. Por trás de seu crescimento, o apoio engajado dos eleitores mais jovens, especialmente entre 18 e 24 anos –um setor exposto a condições mais inseguras de trabalho e mais diretamente afetado pelo desemprego.

Como resposta, o Partido Conservador abriu concessões à esquerda, especialmente no quesito proteção social –para a fúria de seus apoiadores mais tradicionais. A imagem de forte e estável começou a dar lugar a uma Thereza May confusa e vacilante, que se negou a participar de um debate com os demais candidatos em rede nacional.

Parte da imprensa e dos líderes que outrora faziam conjecturas sobre o cenário pós-derrota agora já debatem a composição de um futuro governo trabalhista. E, à medida que Corbyn sobe nas pesquisas, o mercado reage negativamente, com queda de índices e da moeda.

O ambiente polarizou-se, os partidos menores desidrataram e a política acelerou, aumentando a imprevisibilidade. Os próximos dias serão decisivos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *