NOTA #6 [06/06/2019] (RJ I)

Como o militante pesquisa? No seu engajamento junto com outros militantes numa Ideia comum, duvidando das explicações que se apresentam para o fracasso, a frustração e o sofrimento. A Ideia, que de maneira errática se desloca no campo transindividual do inconsciente esporadicamente sendo ela mesma o próprio alinhamento dos buracos singulares dos desejos rumo a um futuro novo, para além das repetições da “amizade com o sintoma” que propõe a social-democracia, é a Ideia Comunista. 

 
Para para prosseguirmos na pesquisa sobre a hipótese em encarnar este alinhamento de desejos, que por sua vez deve ser capaz de produzir novas determinações, é necessário engajar-se nas tarefas necessárias para tomar o poder. Não é possível mudar o mundo sem operar os instrumentos de imposição da arbitrariedade de uma nova norma social. Se não existe sujeito sem a introjeção da arbitrariedade da linguagem, não existe sujeito emancipado do capitalismo sem a imposição arbitrária da ditadura do proletariado. Nem todos os sujeitos terão agência no estabelecimento desta etapa primeva de construção do comunismo que se chama socialismo. Importa menos desenvolver dispositivos para o estabelecimento de uma democracia participativa de alta intensidade do que desenvolver um corpo capaz de impor um novo modelo de liberdade a seja quem for. A medida do limite da imposição arbitrária é o quanto a imposição pode ricochetear e acabar fortalecendo os movimentos de reação reformista ou reacionária. Os comunistas não são de esquerda. A revolução socialista jamais será democrática para a forma reacionária do indivíduo moderno.
 
A pergunta que decorre deste pressuposto é: quais são as estratégias e as organizações que podem vir a desempenhar o papel de imposição de ditadura do proletariado no sentido de serem dirigíveis pela crítica da economia política e disporem de disciplina e recurso para cometerem os crimes e barbarismo (adjetivações estas feitas desde um ponto de vista do individualista, pretensamente autorealizado e formalmente tomado como imaculável desde sua alocação minorada sob o Estado Capitalista, indivíduo moderno) irresolutamente necessários para o desmantelamento da economia capitalista periférica em direção a assunção de lugares desorganizadores da divisão internacional do trabalho que vigora nesta lógica da economia dependente?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *