NOTA #6 [18/09/2017] (RJ I)

A gente deve pensar como inscrever um ato “anti-racional” no panorama político. Pensar a que serve um ato que não se encaixa no âmbito de demandas razoáveis ou realizáveis, pensar o ato além do princípio do prazer na política.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *