NOTA #7 [17/07/2018] (RJ I)

Todo e qualquer retorno ao passado deve se r rechaçado. Um sintoma de que estamos em um período de imobilismo do pensamento, é a constatação de uma morosidade melancólica relacionada ha um mundo passado que não retorna mais. A dinâmica da circulação do capital tem exposto o homem a uma época que marcou a dessacralização os vínculos antigos convertendo o homem em senhor deste mundo. O vazio a que o homem foi exposto foi a constatação de que o rompimento de vínculo com o Um não garantiu a consolidação do projeto emancipador de um novo homem. Diante do fracasso na invenção do novo, olha se para traz em busca dos cacos de um tempo que não volta mais. Neste caso, não seria então nossa tarefa: realizar o luto do Uno e assim reinvestir o pensamento na tarefa de inventar o novo ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *