NOTA #8 [09/05/2017] (RJ I)

Eu me lembro quando estava em um evento numa igreja, eu sendo não-religioso e com amigos também não-religiosos. Ao final, comentaram insatisfação com a casualidade do padre. Esperavam algo épico, adequado espaço para manifestação da fé. Mas talvez esse seja o ponto dos verdadeiramente religiosos: aquele estranho processo casual e familiar era espaço adequado para manifestação de fé, já que a fé verdadeira pode ser presente em tempos de todas as qualidades, heroicos ou miseráveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *