NOTA #8 [14/02/2017] (RJ I)

“Sobre lugar de fala

Pablo Ortellado

Uma reflexão sobre o conceito de lugar de fala a partir das leituras e conversas dos últimos dias. Só para comentários dos amigos — por favor não compartilhem.

Se eu não perdi nada da história do conceito, a ideia de valorizar um “lugar de fala” nasce da crítica da representação e da epistemologia dos subordinados, isto é, da ideia de que os atores sociais devem falar por si mesmos e de que há diferentes efeitos de verdade a depender de quem fala. A premissa, neste último caso, é que as hierarquias sociais produzem efeitos de verdade diferentes: eles são mais intensos, por exemplo, quando um discurso é enunciado por um homem branco mais velho do que quando é enunciado por uma mulher negra mais jovem, de quem o preconceito espera ignorância ou irracionalidade. A constatação desses diferentes efeitos de verdade que variam segundo o “lugar de fala” faz com que um discurso sobre a condição da mulher, quando enunciado por um homem, entre numa espécie de contradição performativa — como se ele negasse, na prática, o seu conteúdo. Assim, o discurso feminista enunciado pelo homem pressupõe e, implicitamente referenda, a hierarquia dos efeitos de verdade que dá mais autoridade ao homem do que a mulher. Por esse motivo, diz o argumento, os discursos sobre a condição da mulher devem ser enunciados por mulheres, aqueles sobre a condição dos negros, por negros e assim por diante, de maneira que tanto o conteúdo como a enunciação sejam emancipatórios.

O contraponto epistemológico positivo do argumento é o da autenticidade e o do conhecimento respaldado pela experiência direta — isto é, a ideia de que ao contrário do que pensa o preconceito, que desqualifica quem fala por vir do lado de baixo da hierarquia social, é justamente essa condição subalterna que qualifica o discurso sobre a opressão, porque o faz com conhecimento de causa, com autenticidade, com a convicção e a verdade de quem experenciou, sem mediação.

O argumento é um pouco mais sofisticado dependendo para onde se vai nessa história que tem raízes na teoria do posicionamento na psicologia social e nas reflexões epistemológicas do pós-estruturalismo francês (Deleuze e Foucault) e se desdobra, em seguida e de muitas maneiras, na epistemologia feminista e nas reflexões práticas de diversos grupos subalternos.

Um dos desdobramentos paradoxais da adoção desse tipo de reflexão é que ela termina revertendo uma longa tradição racionalista que tratava como inválidos os argumentos “ad hominem” (aqueles que desqualificam quem enuncia, ao invés de se deter no teor do argumento). De certa maneira, a reflexão sobre o “lugar de fala” reconhece a força persuasiva deste tipo de argumento, a aceita e a reverte no contexto da luta social no campo discursivo. Ela ressignifica o argumento ad hominem, transformando a desqualificação preconceituosa em qualificação do discurso de luta, socialmente situado.

O conceito de “lugar de fala” gera efeitos paradoxais também quando é assimilado pelos adversários que ressignificam essa ressignificação. Nosso melhor exemplo local é o Fernando Holliday, um jovem político liberal, negro, gay e periférico, que tem utilizado o “lugar de fala” para promover, reivindicando autenticidade e conhecimento de causa, posições contrárias a dos movimentos emancipatórios. Jair Bolsonaro também tem publicado em sua página no Facebook o depoimento de gays punitivistas que o apoiam e, no exterior, o Partido Republicano nos Estados Unidos tem se esforçado em alistar negros e mulheres que referendam as políticas conservadoras. Se a experiência direta e a autenticidade geram efeitos de verdade relevantes, a despeito do conteúdo discursivo, então essa localização da fala pode ser mobilizada para a difusão de uma agenda conservadora, ainda que, neste caso, a contradição performativa gere efeitos contraditórios. O Partido Novo (partido ultraliberal que estreiou nas últimas eleições municipais) foi, por exemplo, o partido com a maior votação em mulheres, logo atrás do PSTU.”

In: https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=1264519940280243&id=100001667479188

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *