Nota CEII SP 14/06/2018

Em ‘A Tirania da falta de estrutura’ Jo Freeman diz da relação da das estruturas formais e informais, pontuando que ser governado pelas relações informais diz de um excesso de afetos no comando do grupo, lógica esta que vem com um elitismo e mentalidade de ‘vestiário’ e obviamente, menos plurais e convidativas – quem sabe, quase uma regressão à horda Freudiana na incansável busca pelo líder messiânico, que é um outro vício antigo na esquerda. E ainda assim, não menos interessante para ser questionado nos dias de hoje. Gostaria de saber se os camaradas vêem isto no CEII? Segue a passagem para papearmos:
“Embora essa dissecação do processo de formação de elite dentro de pequenos grupos tenha sido crítica em perspectiva, ela não é feita na crença de que essas estruturas informais são inevitavelmente ruins – apenas inevitáveis. Todos os grupos criam estruturas informais como resultado de padrões de interação entre os membros do grupo. Tais estruturas informais podem fazer coisas muito úteis. Mas apenas grupos não estruturados são totalmente governados por eles. Quando as elites informais se combinam com um mito de “falta de estrutura”, não pode haver tentativa de colocar limites ao uso do poder. Torna-se caprichoso”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *