NOTA CEII SP #2 [31/08/2017]

Nosso legado

 

Ainda pensando em nossa experiência no CEII até aqui cheguei as seguintes reflexões: Socialismo é um termo que desde seu surgimento no século XIX assusta muitas pessoas. Isso se deve em grande parte pelo medo que as classes privilegiadas têm da organização dos trabalhadores. Desde o seu surgimento, o socialismo esteve nas lutas pela melhoria de vida dos oprimidos de modo geral. Dos cantos de guerra de soldados famintos ao olhar atrevido da meretriz, o socialismo se ergue como uma afronta àqueles que para sobreviverem precisam não somente da exploração do trabalho alheio, como da total submissão daqueles que explora.

Nesse sentido, o socialismo pode ser entendido como o grito insubmisso por liberdade daqueles que ao se verem explorados intuem uma alternativa ao modo de vida imposto pelo capitalismo. Desde a gloriosa Revolução Francesa em 1789 quando pela primeira vez fora varrido da história a servidão como forma de exploração até 1815 quando os governos europeus não conseguiam conter o curso da história, a bandeira vermelha passou a tremular entre as trincheiras.

Os sonhos socialistas, de ontem e de hoje, contêm a esperança num mundo em que a exploração do homem pelo homem não mais exista, que a liberdade triunfe a partir de uma igualdade social real e que a fraternidade entre todos os povos do mundo ser erga pelos laços de solidariedade num mundo sem fronteiras ou guerras. Assim, ser socialista é até hoje um insulto para aqueles que acham que a exploração é natural.

Ser socialista é levar o legado de milhões que morreram em busca de igualdade e liberdade nos campos de batalha. É se reconhecer como aquele que sabe que a condição de exploração não é natural e que todos os avanços científicos e sociais deveriam servir à humanidade e não a um punhado de “privilegiados”.

Por isso, a experiência gerada a partir de 1797 continua assustando porque sua força advém do fardo histórico. Quando o termo socialista, de origem anglo-francesa, se tornou o pesadelo dos exploradores de todo mundo, no velho continente um novo rumor de liberdade rondava os corações dos explorados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *