Nota CEII SP #3 [23/06/2016]

Naquele debate sobre o que achamos do Ciro Gomes muitas coisas me vieram na cabeça. Fiquei pensando sobre o porquê do nome dele estar circulando com tanta simpatia por vários setores da esquerda. Um aspecto que me chamou atenção foi algo que há muito vinha latejando na cabeça e que só se ajeitou quando um amigo, de quem gosto muito e por quem tenho muita admiração, me disse admirar a Marilena Chauí; por quem nutria pouca ou nenhuma simpatia.

A Marilena, pra mim, esta dentro daquele grupo de pessoas que aparentemente não fizeram o luto do PT. É mais do que comum ouvir – desde as alcovas da esquerda até o Manhattan Connection – que o PT acabou. Comecei a pensar qual tipo de racionalidade existe na inclinação afetiva do meu amigo em direção à Marilena. Já que a simples ingenuidade não me parecia suficiente pra explicar tal inclinação, comecei a pensar, naquilo que a Marilena dizia, o que poderia estar atraindo esse meu amigo.
Comecei a pensar que a simpatia com o discurso da Mariela, de que “aquele outro PT acabou, mas não o meu PT”, é um discurso que também ta presente no discurso do Ciro Gomes e, acredito eu, que essa articulação é fundamental pra boa circulação do nome dele.

Dessa elaboração arrisco a conclusão de que reconhecer-se como legatário do PT funciona menos como peleguismo do que como um posicionamento dentro de uma série: a série de apostas do campo popular brasileiro. A crítica que nós da esquerda radical frequentemente recebemos é de que parecemos “querer acabar com tudo sem por nada no lugar” que, por mais que a gente entenda que apontamos para o vazio necessário à criação de um poder popular, desde um ponto de vista estratégico, essa crítica me parece relevante. A possibilidade de diálogo com os setores da esquerda reside na capacidade de (como nos propomos no projeto do CEII) transformar “a falta de saber individual em falta de saber coletiva”. Quem sabe podemos contribuir com a falta de saber relativa a o que do projeto do PT sanamente não queremos nos desvincular.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *