NOTA CEII SP #3 [27/07/2017]

‘Então surgiram iniciativas revolucionárias de uma ordem completamente diferente daquelas que apenas questionaram a forma de poder político. Todo o século XIX fora marcado pelas falhas – muitas vezes sangrentas – de tentativas revolucionárias de tal orientação. A Comuna de Paris, com seus trinta mil mortos nas calçadas de Paris, continua sendo a mais gloriosa dessas catástrofes.

Sendo assim, diremos: nas condições do enfraquecimento do estado central despótico da Rússia, que incautamente se comprometeu com a Grande Guerra de 1914 a 1918; no despertar de uma primeira revolução democrática (fevereiro de 1917) que derrubou esse estado; com uma nova classe trabalhadora entrando em formação, muito dada à revolta e sem sindicatos conservadores para restringi-los; sob a liderança de um Partido Bolchevique cuja organização era em certo sentido, implacável; e com um Lênin e um Trótski que combinaram uma forte cultura Marxista e uma longa experiência militante assombrada pelas lições da Comuna de Paris; fundindo tudo isso em outubro de 1917, veio a primeira vitória, em toda a história humana, de uma revolução pós-neolítica’.

Será que podemos conversar sobre os eventos da Revolução Russa de 1917 e se sim, como poderíamos nos beneficiar desta conversa?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *