NOTA CEII SP #4 [15/02/2018]

Recebi uma mensagem de um camarada e acho que a gente poderia conversar sobre isto na reunião:

(Começo da mensagem)

Não aprenderam nada com o golpe!

Recomendo a todos os militantes da esquerda – socialistas, comunistas e anarquistas em especial, isto é, os militantes do campo revolucionário – que leiam o “Manifesto: Unidade para reconstruir o Brasil” assinado pelas fundações do PSOL, PT, PCdoB, PSB e PDT.

Por que recomendo? É um documento fantástico. Depois da guerra de classe declarada pela classe dominante e operada pelo Governo Temer e o Congresso Nacional, o manifesto, em sua análise de conjuntura e propostas, simplesmente não usa uma única linha sequer para atacar a classe dominante e seu programa. A crítica é a um mítico “rentismo” em defesa da indústria e do “capital produtivo”. É simplesmente ignorado como todas as frações do capital, inclusive a industrial, apoiam o programa em curso: contrarreforma trabalhista, terceirização irrestrita, destruição da previdência, entrega das riquezas nacionais, PEC da MORTE etc.

O documento também defende o “agronegócio” – nome elegante para “latifúndio” – como vetor de industrialização nacional e cita, ao final de um ponto, a reforma agrária – citação protocolar e sem qualquer peso. Defesa do latifúndio, conciliação com a classe dominante, busca de salvar a legitimidade do sistema político burguês (“retomar o Estado de direito e a democracia”), defesa acrítica do “legado” do petismo, cântico liberal para o judiciário “voltar a ser neutro” e etc. Não falta absolutamente nada! É uma cópia do programa eleitoral do PT em 2003 combinado com uma cópia do “programa” que vem sendo apresentado pelo Ciro Gomes.

Necessidade de destruir a latifúndio?

Crítica à conciliação de classe?

Combate à militarização da vida social?

Crítica aos megaeventos e a lógica de mercantilização do espaço urbano?

Destruir o modelo de desenvolvimento instituído no plano real?

Reforma do judiciário?

Afirmação de todos os serviços essenciais – saúde, educação, transporte etc. – como 100% público?

Fim do senado?

Revogabilidade de mandatos?

Absolutamente nada disso está nesse manifesto. Muito se falou dos “VAMOS” nos últimos tempos. O “programa” do VAMOS é comunista, revolucionário, bolchevique, perto desse “programa” apresentado por esses cinco partidos.

A classe dominante agradece e muito! É incrível, surreal, surpreendente, a busca por uma repactuação com as elites que formalmente tanto se critica.

(Fim da mensagem)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *