Nota CEII SP [10/01/2019]

Camaradas do CEII, toda nossa desarticulação pode ser um ponto zero para um salto qualitativo. Estou há muito tempo sem ir a qualquer reunião, no entanto, isso nada tem a ver com o coletivo senão com minhas dificuldades de tempo inclusive para escrever notas. Gostaria muito de ser liberado dessa tarefa, pois, depois que me tornei pai, tornou-se um peso excessivo e sem sentido dado que não estou comparecendo as reuniões nem temos reuniões online.

Nota CEII SP [10/01/2019]

Esta se tentando forjar um novo arranjo de classes no Brasil, um arranjo militar-empresarial. Trata-se da tentativa de reencenar o pacto de 64 que durou cerca de 20 anos. O governo bolsonaro é composto maioritariamente por oficiais das forças armadas, que em sua imensa maioria estão tendo pela primeira vez uma experiência na administração pública. Noticias tambem revelam que Mourão, que visivelmente se afasta de Bolsonaro e de seu radicalismo direitista, esta cada vez mais proximo do empresariado. Este, acredita cada vez menos que Bolsonaro possa resolver seus problemas de acumulação. O caminho eata, portanto, pavimentado para um governo direto dos militares, amparados politicamente pelo empresariado.

NOTA #1 [08/04/2019] (RJ I)

A reunião por hangout soluciona ao menos algo que me parece uma condição de possibilidade para o maior engajamento dos membros do coletivo: estarem informados das atividades do CEII. Sem reunião “do CEII” e apenas com reuniões dos “subconjuntos” creio que perdeu-se de vista, ao menos para mim, as possibilidades do coletivo como um todo.

NOTA #1 [01/04/2019] (RJ I)

No entanto, o encobrimento de tais problemas não seria em si próprio informação? Quer dizer- a retirada do problema logístico ao menos para a reunião semanal não pediria uma resposta do grupo, e esta não daria alguma informação sobre o próprio grupo? Não sei se o CEII deve criar problemas para si para se “ter problemas para resolver”, mas nas respostas do coletivo à auto-revisão das regras de engendramento do grupo aparece ora um, ora outro problema.

NOTA #1 [25/03/2019] (RJ I)

Juntamente a esse mecanismo de fazer reverberar as notas de forma não-presencial, aventou-se também adotar reunião por hangout. Acho a idéia boa, na medida em que soluciona um problema logístico enfrentado pelo coletivo devido à falta de quorum em reuniões presenciais. No entanto também foi falado na reunião que tais soluções eliminariam um elemento importante para o CEII que é: a tentativa de fazer seus integrantes saírem de seus territórios confortáveis. Cria-se um problema: a solução para o problema logístico é um agravamento da situação de “comodismo” por falta de palavra melhor que teria se apossado do CEII. Ademais, a solução do problema logístico por meio do hangout encobre a possibilidade de se obter informações sobre seus membros, na medida em que as questões de tempo livre, deslocamento e trabalho compareceriam com menos intensidade pautando a relação membro-coletivo.

NOTA #2 [04/03/2019] (RJ I)

Se as notas funcionam como um mecanismo de leitura pelo próprio grupo, falou-se da falta de um retorno dessa leitura por falta de quorum nas reuniões. Creio que o resumo das notas possa ser circulado semanalmente pelo Facebook ou por email, a ser feito por Mais-Um pré-designado. Falou-se algo parecido com a criação do jornal, mas me parece que este demanda mais trabalho do que simplesmente adotar um modo online de fazer reverberar as notas, o que pode ser facilmente feito pelos mecanismos que já existem.

NOTA #4 [25/02/2019] (RJ I)

Na reunião geral, ocorrida ontem, perguntou-se sobre a função das notas se desvinculadas da reunião presencial. Supostamente estas pautariam a reunião da semana seguinte. Aventou-se a possibilidade de se tornar as notas facultativas e sua necessidade a ser decidida pelos subconjuntos. Acho a idéia ruim. As notas são um momento de leitura do grupo pelo próprio grupo e também um momento de expressão daquilo que normalmente não se deixaria expressar por um coletivo orientado a um fim específico. Se o CEII permanece um grupo que pretende ler a si próprio e detectar as mutações que impinge sobre si próprio, acho contraproducente vincular as notas somente a subconjuntos de pesquisa- caso em que a elas fica impresso um objetivo de refletir uma pesquisa externa; ou prescindir das mesmas.